Instituto Bíblico Peniel

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Estudo Sobre Missões - Pr.Clésio José Pontes

E-mail Imprimir PDF

ESTUDO SOBRE MISSÕES

Pr.Clésio José Pontes

1. Importância -

-- Missiologia é o “veículo” de outras doutrinas -

As outras doutrinas como: Soteriologia, Pneumatologia, Teologia, Cristologia, Bibliologia, Antropologia, Hamartiologia, Eclesiologia, Escatologia, são anunciadas aos homens através da Missiologia, ou seja, fazer missões é levar as pessoas conhecer a Pessoa de Deus, a Pessoa de Cristo, a Pessoa do Espírito, a Palavra de Deus, a situação pecaminosa do homem, o plano de Deus em salvar o homem, a integração do homem na Igreja e a volta de Cristo para buscar a Sua Igreja.


-- A Bíblia é um livro essencialmente Missionário -

O que a Bíblia diz sobre Missões? Respondemos que a Bíblia é um livro puramente missionário, pois mostra um Deus totalmente interessado em retomar a comunhão com o homem, ao ponto de ter enviado o Seu único Filho para resgatar esta humanidade. E o próprio Filho nos enviou como Ele foi enviado (Jo.20:21). “O próprio caráter de Nosso Senhor é missionário. Portanto não é de surpreender que Sua Palavra também manifeste esta característica. É a luz desta revelação de Deus que a Igreja enfrenta o maior desafio do Missões na cristianismo - a tarefa missionária inacabada, cujo âmago é a evangelização”. (Bíblia - Princípios Gerais - C. Timóteo Carriker - Ed. Vida Nova)


2. Definições - (As definições abaixo é de Missões, pois Missiologia é estudo de Missões).

-- Funções ou poderes que se confere a alguém para fazer algo; encargos. Comissões diplomáticas. Obrigações, deveres. Instituições ou instalações de missionários para pregação da fé cristã. (Minidicionário Aurélio - pag. 318 - 1ª edição - Ed. Nova Fronteira)

-- Enviar testemunhas às regiões que ainda não foram alcançadas com o evangelho. É realizar com afinco o ministério transcultural, o qual exige que fronteiras culturais, raciais e lingüísticas sejam ultrapassadas para que todos tenham a oportunidade adequada de seguir a Cristo.

--É cumprir a tarefa que Cristo deixou na grande comissão - Mt.28:16-20

-- Missões é o esforço unido de cristãos para conseguir o objetivo através dum grupo de pessoas selecionadas chamadas missionários.


3. Objetivos -

-- Persuadir os que estão batalhando ao lado de Satanás para passar para o lado de Cristo. Esta é uma tarefa onde Deus usa instrumentos humanos {i.é. missionários (as)}

--Estabelecer Igrejas com as seguintes características:

-- Auto-governantes - com liderança própria, nativa.

--Auto-sustentadoras - autônomas financeiramente, não dependem do missionário, missão ou junta para existir.

-- Auto-propagadora - enviam e sustentam os seus próprios missionários.

-- O objetivo principal é semear o conhecimento da salvação através de Jesus Cristo e levar aos homens a confiar no Salvador. Porém existe o objetivo secundário que é cuidar da saúde, educação, do desenvolvimento comunitário do povo que o missionário (a) está convivendo.


I- Bases para se realiza Missões:

Bases Falsas:

1. Compaixão pelo estado de miséria de um povo.

2. Desejo de elevar o nível sócio-econômico de um povo.

3. Transmissão de cultura “civilizada” para um povo primitivo.

4. Atendimento as enfermidades do povo.

5. Conhecimento de lugares e regiões diferentes.

6. Aventurar-se nas selvas e regiões isoladas da civilização.

7. Fuga de situações difíceis no meio em que vive.

Obs.: A estratégia do trabalho missionário inclui a alfabetização bilíngüe, assistência na área de saúde e higiene do povo, o desenvolvimento comunitário, o estabelecimento de uma economia própria, entretanto, o alvo prioritário de Missões é:

PREGAR O EVANGELHO!

Bases Verdadeiras:

1. O Amor a Cristo – At.21:13

2. Obediência à Grande Comissão – Mt.28:19,20; Mc.16:15

3. Os fatos imutáveis de Rom.10:13,14

4. Firme convicção de um chamado específico.


II- A VOCAÇÃO MISSIONÁRIA

Um grande problema para aqueles que estão considerando um ministério transcultural, é a questão de um chamamento missionário. Neste assunto é necessário evitar as duas posições extremas. Por um lado, alguns insistem que há um chamamento sobrenatural, como que Paulo experimentou para ir à Macedônia (At.16:9,10), e que é o padrão para todo chamamento missionário. Geralmente se pensa em vozes, visões e acontecimentos misteriosos através dos quais Deus fala de modo audível. Outros afirmam que não nenhum tipo e chamamento exigido, já que a tarefa missionária cabe a todos s cristãos.

É necessário um Chamamento???

1. O Chamamento Geral -

Há um chamamento geral de Deus (Rom.9:24-26), articulado por Cristo (Lc.5:32). para todos os crentes serem santos (Rom.1:7), segundo o padrão de Jesus Cristo (Rom.8:30). Portanto, todo crente possui um chamamento geral para a vida cristã, isto é, santidade (testemunho de vida) e a evangelização (testemunho verbal).

2. O Chamamento específico -

Há um segundo tipo de chamamento para o ministério de tempo integral (At.6:4; I Cor.12:29). Este não é para todos os crentes, como o chamamento geral, mas é o resultado da operação específica de Deus. Paulo era apóstolo pela vontade de Deus, fora constituído ou designado ministro - Gl.1:1; Ef.3:7; II Tim.1:1.

O Apóstolo Paulo foi dirigido por Deus de uma maneira especial e específica para um ministério entre os gentios, um ministério transcultural - Ef.3:8

2.1. O que constitui um Chamamento -

O chamamento geralmente é uma convicção profunda e crescente baseada em princípios bem definidos pela Palavra de Deus, testemunhada no interior pelo Espírito de Deus e confirmada no exterior pelo corpo de Cristo, a Igreja.

-- A Palavra de Deus -

A medida que o crente anda com o Senhor à luz da Sua Palavra, ele discerne passo a passo a direção de Deus para a sua vida. “Este é o caminho, andai por ele” (Is.30:21). O filho de Deus precisa reconhecer em primeiro lugar o senhorio de Cristo para ser sensível à Sua voz na leitura Bíblica. Quem não se submete em obediência ao Senhor não deve esperar receber orientação muito clara dEle.

-- O Espírito Santo -

O testemunho no interior do crente pelo Espírito Santo é muito especial e particular, variando de pessoa para pessoa (Jo.3:8). Infelizmente, hoje em dia muitos crentes não desenvolvem sua percepção espiritual. O Espírito Santo se tornou apenas “doutrina” em vez de ser a pessoa dinâmica que capacita o corpo de Cristo para o alcance missionário, como era comum na vida da Igreja Primitiva.

É o testemunho do Espírito Santo que dirige o crente e revela a vontade de Deus. A vontade de Deus é dupla: geral e específica. A vontade geral de Deus abrange toda a criação e se manifesta na Bíblia (II Pe.3:9).

A vontade específica de Deus é o que o Espírito Santo revela a cada crente. Isto varia entre cristãos individualmente. Para conhecê-la, o crente deve ser renovado dia após dia em consagração (Rom.12:1,2)

São necessários o tempo e disciplina para descobri-la

Freqüentemente ocorre que muitos crentes desejam saber qual é a vontade específica de Deus para o seu futuro sem obedecer à vontade de geral dEle no presente.

-- O corpo de Cristo, a Igreja -

A Igreja local confirma exteriormente aquilo que o Espírito testemunha no interior. Na Bíblia, por mais claro que fosse o chamamento, sempre havia confirmação pela Igreja. Este foi o caso tanto de Paulo e Barnabé (At.9:15: 13:2) quanto de Timóteo (At.16:1,2), Epafras (Cl.1:7; 4:12), Galo de Derbe e Sóprato de Beréira (At.20:4); Rom.16:23).

O chamamento para o ministério de tempo integral vem do Espírito Santo, mas deve haver algum tipo de confirmação por parte da Igreja local onde o indivíduo participa. Se esta fosse uma prática comum nas Igrejas, muitas mãos seriam fortalecidas, e muitos corações seriam encorajados para o ingresso no ministério.

Enquanto todos os crentes são chamados para um testemunho cristão através de suas vidas, Deus chama alguns para o ministério de tempo integral, quer monocultural (trabalho dentro da sua própria cultura) quer transcultural (através de uma cultura diferente).

O chamamento vem uma vez na vida, e uma vez compreendido e obedecido, não precisa ser repetido. Mas a direção sobre a maneira que o chamamento é desempenhado é contínua, através da vida toda.

No exemplo do apóstolo Paulo temos em Atos cap. 9 o seu chamamento e em Atos cap.16 a direção do Espírito para ir à Macedônia. O princípio notável neste caso é que Paulo não era passivo mas que agia e tomava decisões.

Enfim, quem quer acertar a direção do Espírito precisa ser ativo - com uma mente aberta, um ouvido atento (acostumado a ouvir a voz de Deus), um coração puro, mãos ocupadas e os pés prontos.

III- Definindo os termos ð Missionário e Evangelização -

1. Missionário - este termo não se encontra na Bíblia. Etimologicamente, há uma semelhança entre os significados das palavras: apóstolo (do grego “apostoleo”) e missionário (do latim “missio”). Tanto “apostoleo” como “missio” significam enviados. Portanto, trata-se de pessoas que atravessam fronteiras geográficas, lingüísticas e culturais, levando o Evangelho do nosso Senhor Jesus Cristo.

2. Evangelização - é a comunicação das boas novas em Jesus Cristo, dando ao ouvinte uma oportunidade de aceitar a Jesus como Salvador e Senhor. O alvo final da evangelizaçào é discipular cada convertido, dando-lhe a oportunidade de servir ao Senhor numa igreja local e na obra de Deus

IV- A estrutura da Grande Comissão -

1. O Alicerce - A autoridade de Jesus - Mt.28:18

“Toda a autoridade em foi dada... Portanto, ide...”

A palavra “autoridade” em Mt.28:18 é a palavra grega “exousia” e denota autoridade para agir que alguém recebe em virtude da posição que detém.

Autoridade Macro-cósmica. Jesus declara que não havia nenhuma dimensão, tanto no mundo espiritual (“me foi dada no céu...”) quanto no material (“...e na terra.”) que não tivesse subjugada a Ele (Col.1:15-19).

O ministério de Missões é fundamentado e sustentado pela autoridade do Senhor ressurreto.

2. A Missão - “fazer discípulos”- Mt.28:18

O coração da Grande Comissão é: “Fazer discípulos”. Todos os outros verbos (ir, batizar, e ensinar - particípio) estão subordinados a esta ordem principal. Indo, batizando e ensinando com o objetivo de Fazer Discípulos.

V- O Caráter -

1. Geográfico - “os confins da terra”- At.1:8

Confins da terra não é o lugar mais distante de onde a pessoa se encontra, mas é o lugar geográfico onde ainda o evangelho não foi pregado.

Ilustrando - A Micronésia (um grupo de Ilhas na Oceania) é o lugar mais distante do Brasil, no entanto, 90% da população professa ser crente e 63% são crentes praticantes. Na Coréia do Sul, outro ponto extremamente distanciado do Brasil, há um cristão para cada 1,2 não cristãos.

Isto indica que os confins da terra pode ser aqui mesmo no Brasil. É o caso das tribos indígenas cuja localização quase sempre é de difícil acesso e, portanto, o aspecto geográfico torna-se uma grande barreira.

2. Cultural - “a todas as nações”- Lc.24:47

Todas as etnias devem receber a mensagem de salvação. Portanto, missões toma uma aspecto transcultural, pois se não há ninguém dentro da própria cultura com recursos para evangelizá-los, será necessário que missionários transponha essas culturas para poder alcançá-los com o evangelho de Jesus Cristo.

3. Lingüístico - “de todas as nações”- Mt.28:19

Nações = etnia - povo com a mesma cultura, as mesmas crenças e a mesma língua. Para alcançar um povo com o evangelho, o missionário deverá aprender a falar a “a língua do coração” daquele povo, ainda que entenda outra língua.

Dependendo do local onde trabalha, o missionário terá de aprender até mais do que duas línguas.

4. Simultâneo - At.1:8

“...e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.”

As palavras tanto, como e até dão a idéia de três metas que devem ser alcançadas na mesma proporção - simultaneamente.

VI- A Visão Missionária de Jesus Cristo - Mt.9:35-38

No tempo de Jesus um gentio nem mesmo podia entrar no Templo em Jerusalém. Havia três pátios ao redor do Templo;  um pátio para os sacerdotes; ‚ outro para os homens judeus; ‚ e o terceiro para mulheres judias. E todos eles ficavam num mesmo nível.

O pátios dos gentios ficava alguns metros abaixo desta plataforma onde situavam estes pátios usados pelos judeus na sua adoração a Deus. Em 1871 foi encontrado no pátio dos gentios a seguinte notificação: “Nenhum estrangeiro poderá passar além da barreira e do recinto ao redor do Templo. Quem for achado assim fazendo, terá que culpar a si mesmo pela sua morte que se seguirá.”

Jesus nasceu nesse ambiente extremamente radical e de completa apatia aos propósitos divinos. Entretanto, sua visão missionária era ampla, abrangente, dinâmica e total.

1. Todos os limites geográficos de Sua região - Mt.15:21; Mc.1:38; Lc.4:43,44.

2. Todas as classes sociais de Sua época - Lc.7:36-50; 18:15-17; 19:2-6;.

Pobres, ricos, publicanos, fariseus, crianças, rabis, prostitutas, etc...

3. Além das fronteiras culturais - samaritanos (Lc.17:11-19; Jo.4:4,5); romanos (Lc.7:1-10); cananeus (Mt.15:22); gerasenos (Mc.5:1; Lc.18:26); fenícios (Mt.15:21)

4. Seu ensino tinha um enfoque mundial - Mt.13:38; 24:14; Mc.14:9; Jo.3:16; 6:33,51; 10:16; 12:32.

VII- A IGREJA E MISSÕES

1. As Diferenças entre o ministério de Israel e a Igreja

ISRAEL

Deus formou um povo para que, através dEle, se revelasse ao mundo. Contudo Israel falhou em sua missão centrípeta. Por causa de sua desobediência, Israel não foi sacerdote, levando as nações até Deus, pelo contrário, abraçou a idolatria das nações pagãs, esquecendo-se do seu Verdadeiro Deus.

Israel falhou em sua missão e as nações permaneceram sem o conhecimento de Deus!

IGREJA

O Novo Testamento apresenta a nova estratégia de Deus para a realização de Missões. O método mudou de Centrípeto para Centrífugo.

A ordem é para sair em direção aos alvos de Jesus. Ao contrário de Israel, a Igreja não tem uma função magnética, e sim, uma missão pioneira.

2. Definição de IGREJA - A palavra Igreja vem do termo grego “ekklesia” que quer dizer “chamados para fora”, ou seja, Deus em Cristo chama os homens para fora do mundo.

Todos os salvos são a Igreja, mas isso não significa que deixaram de ser cidadãos, patriotas, lavradores, comerciantes, etc.

Precisamos entender que a Igreja não foi retirada do mundo fisicamente, mas purificada dentro dele.

Como Igreja, nós temos um compromisso com o mundo onde vivemos; temos uma responsabilidade missionária.

2.1. O que é a Igreja -

De acordo com IPe.2:9, a Igreja é:

2.1. Raça Eleita -

A ênfase principal de Pedro é mostrar que a Igreja, foi eleita por Deus. Ela não apareceu por acaso, mas mediante escolha e propósitos divinos, antes da fundação do mundo - Ef.1:4

2.2. Sacerdócio Real -

Numa referência a Ex.19:6, Pedro atribui também a Igreja uma função sacerdotal, isto é, mediadora entre Deus e o mundo.

2.3. Nação Santa -

Um povo santo, separado dos pecadores, e aperfeiçoados pelo Espírito Santo para servir a Deus, proclamando ao mundo a mensagem de salvação eterna.

2.4. Povo de propriedade exclusiva de Deus -

A Igreja é o povo exclusivo de Deus. Ela pertence pessoalmente e particularmente ao Senhor que a comprou pagando preço elevadíssimo.

3. Porque a Igreja deve pregar a todos os povos?

3.1. Porque é ordem de Jesus.

Qualquer visão menor que o mundo estará fora da visão de Deus.

3.2. Porque não ouvirão se a Igreja não enviar missionários - Rom.10:14,15

3.3. Por causa do amor de Deus para com todos os povos - Jo.3:16

3.4. Por causa da terrível situação dos perdidos.

4. A Igreja Autóctone -

O termo autóctone significa originário de um país ou de uma região, nativo, indígena. Paulo escreveu em Col.3:11 que “em Cristo, não há grego nem judeu, circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre.” Isso deixa claro a natureza supracultural do evangelho e da Igreja. Contudo, o homem nasce, cresce e vive dentro de sua cultura e quando recebe a Jesus, age segundo os padrões de sua cultura. O missionário não pode impor sobre os novos crentes os padrões de sua própria cultura, senão, a Igreja não será autenticamente autóctone

4.1. Aspectos absolutos -

Aspectos fundamentados na Palavra de Deus, que não mudam e portanto, devem existir em todas as culturas.

4.2. Aspectos não-absolutos -

Aspectos culturais, onde cada cultura fará da sua maneira. Ex. sentar, cantar, tempo, local, etc.

O missionário deverá cuidar para não impor os padrões da sua cultura e da sua denominação à Igreja nativa, mas deve ensinar-lhes a cultura bíblica na língua materna permitir que cresçam espiritualmente dentro da sua própria cultura.


VIII- FAZENDO MISSÕES

1. Alguns cuidados -

1.1. Não pratique o etnocídio -

Etnocídio - A etimologia da palavra nos daria o sentido de “exterminar um povos ou raça”, mas na antropologia cultural poderia se dar o sentido de “suprimir os valores culturais de um povo pela imposição de novos valores”.

1.2. Não Cristianize, mas Evangelize -

Cristianizar - É a transmissão de formas moralistas e estereotipadas de como deve se comportar um cristão.

Evangelizar - É propor o Evangelho, não impor (ICor.9:18). Se eu proponho, isso indica que o outro tem uma opção a escolher. Esse maravilhoso dom da liberdade ninguém tem o direito de usurpá-lo ao seu semelhante

Como disse com muita propriedade o Dr.Nida: “O Espírito Santo é quem deve expressar para os convertidos a maneira de viver a vida cristã. O Evangelho em cada cultura será expresso de muitas formas diferentes umas das outras, tendo, cada uma, qualidades distintas, justamente por causa da diversificação de costumes (Eugene Nida, Costumes e Culturas, São Paulo: Edições Vida Nova, 1985, p.7)

última atualização em Sex, 07 de Outubro de 2011 23:10